O líder perfeito não existe

Quando você olha para a sua célula atual e se pergunta: “Qual dessas pessoas poderia liderar o próximo grupo?”; a resposta correta é: “Todas!”. Claro, algumas pessoas estão mais prontas agora. Algumas pessoas precisam ser equipadas ou treinadas. Mas não há uma característica principal que você deve procurar. As pessoas quietas podem liderar de modo tão eficaz como as extrovertidas. Quem tem o dom do serviço pode liderar um grupo em crescimento assim como quem tem o dom do ensino ou de evangelismo.

Jim Egli e eu estamos estudando esta questão há muitos anos. Ambos descobrimos em estudos estatísticos separados que características particulares não importam. De fato, cada vez que criamos um novo questionário de pesquisa, pedimos aos líderes de pequenos grupos que respondam a perguntas básicas sobre si mesmos. Quantos anos eles tem? Há quanto tempo eles estão seguindo Jesus? Eles são casados ou solteiros? Eles têm uma personalidade silenciosa ou extrovertida? Qual é o seu dom espiritual primário? Comparamos líderes de diferentes idades, variando níveis educacionais, homens e mulheres, casados e solteiros.

Nós descobrimos que nenhuma dessas coisas faz uma diferença significativa. Descobrimos que os líderes de grupos pequenos eficazes não têm um certo tipo de personalidade, um dom específico ou uma posição específica na vida. Qualquer pessoa tem o potencial de se tornar um grande líder de pequeno grupo. Para sermos honestos, provavelmente devemos deixar de fazer essas perguntas porque toda vez que olhamos para as respostas das pessoas e as comparamos com o crescimento de seus grupos, obtemos os mesmos resultados de nossos estudos estatísticos.

Não existe um tipo de líder perfeito. O líder perfeito é a pessoa que depende de Jesus e dos outros para fazer a obra. O que importa são vários comportamentos-chave que se relacionam com amar a Deus e amar os outros. Quais pessoas do seu grupo atual podem obedecer aos dois maiores mandamentos, amar a Deus com tudo o que são e amar os outros como amam a si mesmas (Marcos 12.28-31)? Todos podem! E isso significa que todos eles têm o potencial de liderar um pequeno grupo próspero.

A participação é a chave para o crescimento. À medida que os membros participam, eles se tornam ministros de Jesus Cristo. Eles aprendem como amar uns aos outros, usar seus dons e evangelizar. Eles compreendem que não tem problema falhar, contanto que aprendam com seus erros e continuem tentando. Jesus os molda enquanto ministram, e eles se tornam discípulos no processo.

Fonte: Revista MDA

Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

...