O PODER DO PERDÃO

Objetivo: Reconhecer a importância e a necessidade de perdoarmos a quem nos ofende.

Material: Pedrinhas médias, ou bolas de pingue-pongue da mesma quantidade que o número de participantes.

Tempo: 10 minutos / Procedimento: Entregue uma pedrinha a cada pessoa. Explique que a pedrinha foi atirada neles por alguém e decidiram guardar a pedra para devolvê-la quando tiverem oportunidade. Deverão ficar com ela nas mãos, não soltar para nada, enquanto não devolver.

A seguir peça que realizem atividades diversas:

– bater palmas, fazer um coração com os dedos, arrumar o cabelo com a mão que está a pedra, fazer de conta que estão enviando uma mensagem pelo celular ou fazendo as tarefas da escola, etc.

A seguir questione se eles sentiram-se incomodados ao realizar as atividades com a pedrinha na mão. Não teria sido melhor realizar as atividades com as mãos livres? E se a pessoa que atirou nunca mais aparecer?

Agora peçam a eles imaginarem que a pedra é uma ofensa ou mágoa que não foi perdoada por eles.

Questione:

– Uma mágoa, uma ofensa atrapalha a vida de quem a carrega?

– O que acontece quando não perdoamos?

– Quando não liberamos perdão a uma pessoa (quando não largamos a pedra) quem mais sofre? Quem fica mais incomodado?

– Como e quando perdoar?

A quem perdoar?

Repita as atividades acima só que agora sem a pedra nas mãos para que percebam a diferença. Explicar que quando liberamos o perdão a alguém nos sentimos livres e mais leves. Lc 23:34 “Pai perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem. ”

Você sabe qual é a importância do perdão em sua vida?

Na cruz do calvário Jesus mostrou o nível de saúde emocional que ele possuía. Jesus tinha todos os motivos do mundo para odiar as pessoas que o abandonaram, o traíram, o crucificaram, etc. Mesmo assim Ele intercede diante do Pai por elas. Ele conhecia o poder do perdão.

Perdoar é sair de prisões. Quem perdoa está fazendo um favor a si mesmo, está saindo de sua própria prisão da alma. Os magoados não perdoam porque são prisioneiros de si mesmos. Enquanto eu sustento o ressentimento na alma, nunca haverá libertação ou êxito emocional. Ir ao encontro do que feriu e fazer a rota do perdão é uma obrigação e uma ordem de Deus para minha vida.

O perdão é a maior semente para o recomeço. É o exercício da misericórdia. Aqueles que conhecem a misericórdia de Deus precisam viver de acordo com o princípio da misericórdia, se eles não mostrarem misericórdia, mas se insistirem na justiça, receberão justiça em vez de misericórdia Mt 18:23 a 35. O ato de pedir perdão ou perdoar está muita mais ligado a uma decisão do que aos nossos sentimentos. Se basearmos nos sentimentos dificilmente perdoaremos as pessoas, principalmente porque em muitas situações podemos nos sentir como vítimas.

Três níveis de Perdão:

1. Perdoar a nós mesmos – é sair do sentimento autopunitivo. Algumas pessoas se punem e não conseguem se perdoar pelos seus erros. Todos nós falhamos em algum momento do passado. Perdoar a si mesmo é saber separar o erro cometido no passado do que verdadeiramente você é hoje no presente 2Co 5:17 . É preciso se livrar de pensamentos e sentimentos passados. Por isso nunca julgue situações passadas com valores do presente. Você pode e deve se livrar de certos padrões de pensamentos e sentimentos senão não conseguirá se perdoar. Perdoar a si mesmo é acreditar no perdão de Deus pela sua vida. Deus nos perdoa porque Ele nos ama! Não recebemos perdão porque merecemos; recebemos perdão porque Deus quer nosso bem. O perdão de Deus mostra como Ele é bom.

2. Perdoar os outros – Ef 4:31 e 32. Constantemente aprisionamos pessoas dentro de nós por situações que acontecem. Quando eu decido perdoar estou saindo do sentimento “condenativo” e libertando a pessoa de dentro de mim. Removemos um julgo de nossa vida e da pessoa que perdoamos, porque perdoar é liberar a pessoa daquela dívida. Quando liberamos o perdão sobre as pessoas que nos magoaram, feriram, o nosso coração fica livre para nós mesmos e para Deus Mt 6:12.

3. Pedir perdão – É difícil pedir perdão porque implica humildade e implica mudar de uma lógica de “ganhar ou perder” para uma lógica de “dar e receber”. Então pedir perdão é se humilhar diante de alguém pedindo uma chance. Errar é um defeito comum, mas pedir perdão é uma grande virtude, e ser humilde é assumir a responsabilidade pelo que houve assumindo a culpa do mal que causou na vida de outrem. Uma ótima forma de complementar seu pedido de perdão é corrigindo seus erros com ações que os reparem. Então, pense no que pode fazer para reparar os danos que causou. Ações valem muito mais que palavras Sl 32 :1!. Para pedir perdao não tem limites Mt 18:21 e 22. Quando não liberamos perdão alimentamos ressentimentos como: Indiferença, Mágoa, Rancor, Raiva e ódio. Isso nos separa das pessoas nos levando a viver uma vida de solidão. Estudos comprovam que a falta de perdão pode desencadear doenças emocionais e físicas como depressão, dores musculares, hipertensão e até câncer. Precisamos aprender a viver como Jesus e ter as mesmas atitudes que Ele. Qual desses três níveis precisa ser praticado hoje em sua vida? Se Perdoar? Perdoar os outros? Pedir perdão? Procure hoje mesmo resolver essas pendências e tenha uma vida saudável tanto fisicamente como emocionalmente.

Gancho evangelístico – Agora você que está aqui pela primeira vez e nos honra com sua presença, o primeiro passo para praticar a lição de hoje é entregando sua vida para Jesus, portanto quero te ajudar fazendo essa oração: “Senhor Jesus, …..”

Pr Marcos Pereira

Mostre mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Fechar